Como a Psicologia Analítica pode te ajudar? – Breve apresentação

A Psicologia Analítica ou Psicologia Junguiana tem como objeto de estudo a própria psique, que de uma forma resumida seria o sistema que contém o consciente – a parte que conhecemos de nós mesmos – e o inconsciente,  a nossa parte desconhecida. 

Então, uma psicoterapia cuja orientação é baseada na Psicologia Analítica não vai olhar apenas para como é o seu mundo externo, vai olhar também para seu mundo interno e para todas as partes que existem dentro de você mesmo, observando também como elas se manifestam nos diferentes aspectos de sua vida. O sentido disso é aproximar estes dois mundos (nos casos em que isso é possível), e aos poucos adquirir mais consciência. E adquirir consciência é um grande benefício. Quantas coisas podem ser direcionadas de uma maneira mais favorável pra você quando se amplia a consciência? Talvez neste nível pode acontecer de perceber que alguns reajustes precisam ser realizados. Porém, olhar pra tudo isso foi uma decisão. 

Em termos práticos, o processo de análise oferece o diálogo como principal forma de trabalho, e é através do mesmo que uma relação analítica favorável pode ser construída. A partir daí, o método e as ferramentas que serão utilizadas em cada momento do processo, dependerão da demanda do mesmo. Mas naturalmente a curiosidade pelos próprios sonhos aparece em algum ponto.

O grande legado que Jung nos deixou foi a sua obra, fruto de sua vivência e dedicação ao estudo “teórico-prático” da alma humana, processo profundo e minucioso, integrando sentido a tudo que vivia.  Ensinou que é preciso conhecer, sentir, ouvir, perceber e viver a nossa parte única em meio ao coletivo. Somente assim, é possível caminhar na direção de uma verdadeira autorrealização, processo construído continuamente durante toda a vida. E para isso, a análise (com um terapeuta naturalmente dedicado) é um dos caminhos facilitadores. E o terapeuta será um companheiro de jornada, mas precisa estar percorrendo a sua própria caminhada, conhecer um pouco mais de si – embora também em eterna construção- reconhecer suas próprias feridas e estar disposto a caminhar com o outro quando o mesmo lhe solicitar companhia. 

Estou à disposição para dúvidas e esclarecimento.

Atenciosamente, e com carinho

Carolina Carazza

Referências:

JUNG,C.G. Fundamentos de Psicologia Analítica. Petrópolis: Vozes, 2001.

JUNG,C.G Memórias, sonhos e reflexões: Nova Fronteira,2016.