Jung – Criador da Psicologia Analítica

Irei fazer uma breve apresentação, pois achei interessante ao menos mostrar quem foi o criador desta adorável forma de abordar o ser humano.

Carl Gustav Jung nasceu em 26 de julho de 1875 na Suíça, formou-se em medicina  no ano de 1900 e dois anos depois já assumia o cargo de primeiro assistente no hospital de Zurique, como psiquiatra. Este homem teve uma brilhante carreira e uma grande história de vida que não dariam pra contar em um pequeno texto de apresentação. Sua história originou sua própria teoria. “Minha vida é a história de um inconsciente que se realizou” (Jung,C.G, 1962). Segundo Nise da Silveira (1974) “sua obra é um organismo que cresceu e transformou-se enquanto foi vivo seu autor.”

A Psicologia Analítica, ou Psicologia Junguiana, se ocupa dos fenômenos psíquicos vistos na sua complexidade e não no reducionismo. Jung olhava para o ser humano como ser integral e não separava o estudo da mente e do corpo, enxergava no ser humano todas as suas dimensões: biológica, social, histórica, psíquica e espiritual.

Falar de Jung inicialmente me instiga a esclarecer alguns pontos de confusão que ocorrem por aí. Psicologia Analítica (Jung) distingue-se da Psicanálise (Freud), não apenas pelo nome mas também pela sua amplitude. Reconheço a grandiosidade de Freud, mas os estudos permitem afirmar que Jung vai além, de inúmeras formas, e os fatos teóricos e práticos permitem fazer algumas diferenciações muito óbvias. Por exemplo, um termo muito conhecido: o termo libido, para Freud tem significação unicamente sexual, enquanto que para Jung libido é instinto permanente de vida, são as necessidades e os interesses mais diversos, é a vontade, é apetite, fome, sede, a agressividade, e também a sexualidade, mas não somente ela. Foi devido a este conceito, inclusive, que houve um desentendimento decisivo entre estes dois “gênios” no ano de 1912.

Ainda é preciso esclarecer que Jung não foi discípulo de Freud como muitos afirmam. Antes deles se conhecerem Jung já tinha uma carreira bastante sólida e vários trabalhos psiquiátricos desenvolvidos como por exemplo sua tese de doutorado em 1902 e seu famoso estudo de Associação de Palavras que lhe rendeu título de cidadão colaborador, dentre outros vários trabalhos. Jung reconheceu vários pontos da obra de Freud, mas nem sempre suas interpretações coincidiam. Foi a obra “Interpretação dos Sonhos” (1899) de Freud, que levou Jung a querer conhecê-lo pessoalmente. Após a troca de algumas cartas, ambos vieram a se encontrar no ano de 1907 e uma grande conversa de 13 horas os uniu daquele dia até o ano de 1912, quando houve a cisão já citada.

Jung foi um cientista que tinha um profundo interesse no estudo da alma humana e a isso ele dedicou toda sua vida e tem uma extensa obra que foi reorganizada pela sua família totalizando em 19 volumes. Sofreu muito com a separação de Freud, mas esta foi extremamente importante para seu desenvolvimento pessoal e profissional.

Para quem tem interesse em saber mais sobre a vida deste autor, recomendo as seguintes leituras:

Memórias, sonhos e reflexões – Carl Gustav Jung

Jung: Vida e Obra – Nise da Silveira

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *