Luto. Perdi alguém, e agora?

Quem já perdeu alguém sabe o quanto isso é doloroso. Muitas vezes causa uma mistura de sentimentos, pensamentos e um buraco na alma, uma ferida. Tudo isso exige um cuidado,uma atenção por parte de quem sente e de quem, de alguma maneira, convive com o enlutado. Nunca invalide sua dor ou a dor do outro num processo como este. Nunca diga que não é para ser sentido, ou que isso passa logo, que a vida continua, que tem que superar… Simplesmente acolha.

Luto é um processo natural e necessário de reação à perda. Cada pessoa o vivenciará da sua maneira, e no seu tempo. É um processo dinâmico interno e por isso não há um tempo estabelecido.  Portanto não se cobre, se a perda bate à sua porta, é muito importante que você a receba e realmente vivencie seu processo, pois isto diz de um autocuidado, e por mais que seja doloroso, vivenciar a dor lhe permitirá atravessar este deserto interno com maior integridade. Luto é um processo solitário, por mais que as pessoas consigam ser sensíveis a este momento, é como se estivéssemos realmente sozinhos, é uma dor única.

luto1

Mas quando tocamos nesse assunto, não estamos falando só de dor, estamos falando de amor, pois o sentimento de perda só existe porque há amor envolvido. Como disse Colin Murray Parkes  “Luto é o preço que pagamos por amar”. E a sensação é que realmente pagamos muito caro por isso, é quase desesperador. Mas, embora não pareça, há uma luz em meio a todo este tormento. Luto é exatamente o que precisamos neste momento, é o tempo que nos damos para sentir, para nos acolher, para chorar, para inconformar, para receber a fragilidade, e para fluir dentro das águas profundas que envolvem dor e amor, perda e encontro, luz e escuridão, solidão e companhia. Porque se antes a pessoa estava ao nosso lado, agora ela está definitivamente dentro de nós, embora a única coisa que conseguimos perceber é a sua falta. Então o luto é todo esse processo aparentemente instável e desorganizador que vivenciamos,  inicialmente é um acolhimento à nós mesmos, seguindo gradativamente para um reajuste à nova realidade, tão difícil de aceitar…

Se você vivencia um processo como esse, respeite e aceite todo e qualquer sentimento. Como disse anteriormente, não há regras nesta vivência única e individual, mas  gostaria de compartilhar algumas dicas que podem lhe ajudar neste momento:

 – Dê tempo para si, e caso sinta necessidade, diminua algumas atividades práticas cotidianas e se permita acolher os sentimentos. Isso contribuirá para sua saúde mental e emocional.

– É muito comum também neste momento, sentir-se mais cansado, pois as dores emocionais, as dores da alma, afetam muito a nossa disposição física e mental. Portanto é fundamental descansar, silenciar um pouco a mente cotidiana, e na medida do possível, alimentar-se bem e se hidratar (pois algumas pessoas perdem a fome, principalmente nos primeiros dias).

– Sempre que sentir necessidade, peça ajuda, seja para as atividades práticas ou para suas necessidades internas. Ajuda muito falar sobre os sentimentos e pensamentos envolvidos neste processo. Algumas vezes, a tendência é esquivar de falar pois isto toca na ferida, mas é apenas olhando para ela que você pode remediá-la e aos poucos, elaborar esta vivência.

– Definitivamente não se cobre! Saiba que vivencia um processo extremamente doloroso, que exigirá de certa maneira paciência, pois leva muito tempo para nos ajustarmos à nova e difícil realidade. Aqui o tempo se torna lento…

tempo no luto

E é com essa lentidão que aos poucos tudo poderá se acomodar e chegar em seu lugar, dando espaço para novas elaborações em relação a tudo isso, novos sentimentos, e quem sabe, uma nova identidade e novas direções. Sendo esta, uma das tarefas de quem fica, após muita dor e trabalho com o luto: dar novo significado ao amor que sempre existiu e existirá…

Referências:

PARKES, C.M. Luto – Estudos sobre a perda na vida adulta, Summus Editorial, São Paulo, SP, 1998.

CORDEIRO, A.M. Morte-a tarefa de quem fica – Reflexões sobre amor e morte numa perspectiva Junguiana, Ed. Appris, Curitiba,PR

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *